O que é a musicoterapia?

Já pensou em conseguir aumentar o seu bem-estar, melhorar o humor, a concentração, o raciocínio e até sintomas de problemas de saúde com a música? Pois é justamente isso o que promete a musicoterapia.

Voltada tanto para crianças como para adultos, a técnica pode trazer inúmeros benefícios, melhorando a qualidade de vida de muitas pessoas. Ficou interessado? Continue a leitura!

O que é a musicoterapia e para quem é indicada?

A musicoterapia, como o próprio nome sugere, é um tipo de tratamento que utiliza a música para tratar vários tipos de pacientes. Essa técnica busca melhorar a comunicação, o aprendizado, a expressão e ainda a forma como essas pessoas se relacionam.

Assim, a terapia com música pode ser usada tanto para tratar e reabilitar pacientes, como prevenindo problemas de saúde e melhorando a qualidade de vida.

Outra forma de usar a técnica é por meio da terapia comunitária, na qual se busca, com a música, empoderar os grupos e melhorar o engajamento e a organização social.

Indicações

Ela é indicada para todas as faixas etárias, ou seja, desde crianças até idosos que apresentem sintomas de estresse, depressão, ansiedade ou ainda problemas de saúde e deficiências de desenvolvimento ou aprendizado, como o autismo.

Também tem sido empregada com sucesso para pacientes com Mal de Alzheimer e condições próprias do envelhecimento, câncer e doenças terminais, lesões cerebrais, doenças cardíacas, pacientes com sequelas de AVC e síndromes de dor crônica.

Porém, vale lembrar que, apesar de todos os benefícios, a musicoterapia não substitui o tratamento convencional desses problemas, apenas trabalha oferecendo um auxílio para a redução dos sintomas. Encontrar uma boa clínica médica ainda é indispensável. Para quem é de Belo Horizonte, uma indicação é a Especialmed, com tratamentos diferenciados, atendimento de qualidade e preços atrativos.

Quais são os seus benefícios?

A terapia com música possui inúmeros benefícios, como:

  • redução da ansiedade;
  • melhora no humor;
  • aumento da disposição;
  • redução dos sintomas típicos do estresse e da depressão;
  • aumento na capacidade respiratória;
  • alívio das dores de cabeça;
  • controle da pressão arterial;
  • estímulo à coordenação motora;
  • melhora nos distúrbios comportamentais;
  • auxílio nos casos de dores crônicas;
  • melhora da qualidade de vida;
  • melhora na frequência cardíaca;
  • estímulo às interações sociais;
  • entre outros.

Como a música age no cérebro?

Todos esses benefícios somente são possíveis porque a música é capaz de agir e ativar diversas áreas do cérebro, como:

  • corpo caloso: conecta o hemisfério direito e esquerdo. A música torna a transferência de informações mais efetiva;
  • córtex sensorial: processa as informações sensoriais (audição, visão e tato);
  • córtex auditivo: processa os sons, os ritmos e as variações que escutamos;
  • córtex motor: responsável pela resposta tátil indispensável para tocar um instrumento ou dançar;
  • córtex pré-frontal: relacionado aos comportamentos, tomada de decisões, expressão da personalidade e pensamentos complexos. A música ativa fortemente essa área e alguns pesquisadores acreditam que ela pode influenciar a personalidade do paciente;
  • córtex visual: processa as informações visuais;
  • cerebelo: mantém o equilíbrio, controla os movimentos voluntários e o tônus muscular e é responsável pelos processos de aprendizagem motora;
  • hipocampo: é onde se situam as memórias e também é responsável pela navegação espacial. A música pode ativar memórias profundas;
  • amigadala: regula os nossos comportamentos e as respostas emocionais, é a área mais afetada quando ouvimos uma música.

Por ativar todas essas áreas, a música é uma ferramenta poderosa para auxiliar no tratamento e na redução dos sintomas de várias patologias. Por exemplo, como ela atua no hipocampo, pode ajudar os pacientes com Alzheimer a estimularem a memória.

As sessões funcionam tanto de maneira passiva (com o paciente apenas escutando o terapeuta tocando) como ativa (fazendo música com o terapeuta, dançando e participando).

E, então, depois de ler este conteúdo sobre musicoterapia, já está claro como ela pode ajudar a aumentar o bem-estar, melhorar a qualidade de vida e reduzir os sintomas de vários tipos de doenças? Se você gostou deste post, compartilhe as nossas informações nas suas redes sociais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *